Historial

Cartório Notarial de Câmara de Lobos, foi constituída uma associação com a denominação de Grupo Desportivo do Estreito, cuja sede fica situada no lugar de Igreja, freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, concelho de Câmara de Lobos, tendo por fim a promoção cultural, desportiva e recreativa dos seus associados (...).

Por escritura de 24 de Julho de 1980, exarada a p. 30 do livro de notas nº 389 - A

Como tudo começou...

A
pesar de oficialmente, o dia 24 de Julho de 1980 ser a data aceite como a da sua fundação, o Grupo Desportivo do Estreito, tem origem um pouco mais cedo, precisamente em 1979, através da criação da Associação Recreativa e Cultural Estreitense, que pouco tempo depois mudaria, então de denominação. Enumerar os seus fundadores não é tarefa fácil, por quanto não existem documentos comprovativos, contendo o nome de todos eles e por outro lado, sócios houve que após o interesse inicial acabariam por desistir e outros que só aparecem posteriormente, já na fase final do processo de fundação. De qualquer modo não andaremos longe da verdade, se, baseando-nos nos outorgantes da escritura notarial do G.D.E., e em informações verbais apontarmos como principais fundadores João da Silva, Agostinho Luís da Silva Freitas, José Agostinho Costa Freitas, José Manuel de Barros e João Agostinho Rodrigues Gomes . Será justo também realçar o papel da Junta de Freguesia do Estreito, na altura presidida por João da Silva, como «motor» de todo este processo.

Datas Importantes

  • 24 de Julho de 1980
  • 17 de Junho de 1988
  • 18 de Janeiro de 1993
  • 3 de Junho de 1996
  • 24 de Maio de 1997

A nossa Sede

Ao longo anos, a existência do Grupo Desportivo do Estreito não tem sido fácil e várias vezes foi mesmo ameaçada , o que facilmente se compreenderá pela inexistência de uma sede adequada e pela falta de tradições desportivas no Estreito, bem como pelas características, de certo modo hostis, do ambiente, que num passado não muito distante envolvia a prática do desporto e que pelo menos parcialmente serão responsáveis pela indiferença de uma parte da população perante o desporto, como pelas carências financeiras e em dirigentes desportivos.

De qualquer modo, mesmo com todas estas condicionantes, os vários corpos gerentes, chefiados por João Mário Figueira, João Pinto Figueira, Manuel Pedro da Silva Freitas, João Luís Azinhais Abreu dos Santos, João Gualberto Ferreira e actualmente Alcides da Luz Teixeira Nóbrega, que ao longo dos anos têm dirigido o G.D.E, souberam imprimir-lhe uma dinâmica tal que neste momento o transformou num dos maiores clubes da Madeira.

Prevista desde 1982, a sede do Grupo Desportivo do Estreito foi construída no lugar do Damasqueiro, no local antes ocupado pelo matadouro municipal, tendo a sua inauguração tido lugar no dia 22 de Julho de 1994.

Os nossos Presidentes

Encontrando-se inactivo e sem utilização, o antigo matadouro, passa a partir de 1982, a ser cobiçado pelo Grupo Desportivo do Estreito para aí instalar a sua sede social, tendo merecido, nesse sentido, parecer favorável, por parte da Câmara. Todo o processo conducente à transformação do velho matadouro em sede do Grupo Desportivo do Estreito, tem início em 21 de Julho de 1982 com a petição por parte da, então, Direcção do G.D.E. à Câmara Municipal de Câmara de Lobos, para instalar a sua sede num primeiro andar a construir no antigo matadouro da freguesia. A 5 de Agosto do mesmo ano, a Câmara delibera favoravelmente esse pedido.Contudo, ao ser apresentado o projecto da sede para aprovação, instala-se um longo processo burocrático que se estenderia desde 15 de Dezembro de 1982 até 13 de Dezembro de 1983.

Finalmente aprovado, novo problema se levanta, a falta de meios financeiros para pôr em prática o projecto. Então nova petição é feita, em 17 de Setembro de 1984, à Câmara, no sentido da utilização, a titulo provisório das instalações já existentes, após se proceder às necessárias obras de adaptação, o que três dias depois merece deliberação favorável.Aproximadamente um ano depois, a Direcção cessava funções e tudo continuava na mesma.A nova Direcção, eleita em 28 de Julho de 1985, dadas as dificuldades financeiras, incompatíveis com a prossecução de quaisquer obras e a necessidade, urgente, de um espaço que funcionasse como sede, opta por adiar o problema do antigo matadouro, para mais tarde.

Em alternativa, é, então, pedida à Câmara Municipal de Câmara de Lobos, a titulo provisório a utilização de uma antiga sala de aulas, situada sob a biblioteca do Estreito e que, a 31 de Outubro, lhe é cedida. Cerca de dois anos depois, já quase no fim do seu mandato, a Direcção julga ser o momento ideal para reiniciar todo o processo relativo à sede e volta, então, a insistir junto da Câmara Municipal no sentido desta assumir a concretização das deliberações anteriormente tomadas, introduzindo, contudo, mais uma alteração, ou seja, insistindo na necessidade de ocupação de todo o edifício e não de um só piso como estava previsto.Contudo, novas eleições surgem e novos corpos gerentes assumem, em 26 de Maio de 1987, os destinos do G.D.E..

Uma vez mais se empenham na concretização do velho sonho mas a sina já estava traçada e terminam o seu mandato sem que mais um passo, em termos reais, fosse dado. O mesmo se viria a verificar com os seus sucessores, eleitos no dia 17 de Junho de 1988.

Entretanto o Grupo Desportivo do Estreito, após o crescimento verificado na época de 1986/87 ia consolidando as suas estruturas e aquilo que havia sido ao longo dos anos considerado como que um sonho, um desejo sempre ultrapassável por este ou aquele remedeio, foi a pouco e pouco ganhando estatutos de necessidade, e tanto maior quanto mais anos passavam. Em 1989 essa necessidade reflecte-se, mesmo, na criação de um cargo dentro da direcção e cujo objectivo seria o de acelerar e conduzir todo o processo de construção da sede do Grupo Desportivo do Estreito. Contudo, a cedência do local, por parte da Câmara, ao Grupo Desportivo do Estreito para aí construir a sua sede social levantaria algumas dúvidas sobre a legalidade de tal acto, por poder ser susceptível de colocar em causa o objectivo da primitiva transmissão de propriedade, uma vez que se quebravam as condições e finalidade a que tinha obedecido essa cedência. Para além disso, o facto de haver uma pequena área de terreno circundante ao matadouro necessária à implantação da sede do Grupo Desportivo do Estreito e propriedade de José Isidoro Gonçalves de Faria, viria a tornar o problema da construção da sede do clube ainda mais complexa. No entanto, e porque nunca havia sido realizada qualquer escritura relativamente à cedência do terreno à Câmara, mas sim uma declaração de cedência, o problema seria ultrapassado por uma nova doação do terreno em causa, por parte de José Isidoro Gonçalves Faria, desta vez ao Grupo Desportivo do Estreito, anulando-se por mútuo acordo, por não cumprir os objectivos inicialmente traçados, a primitiva cedência à Câmara Municipal de Câmara de Lobos.

O acto público e solene de cedência do terreno teve lugar no dia 18 de Janeiro de 1993, nas instalações da Junta de Freguesia. Na posse de todo o terreno, o Grupo Desportivo do Estreito dá início às obras de construção da sua sede, que viria a ser inaugurada a 22 de Junho de 1994. Depois da sede, construiu o Grupo Desportivo do Estreito um ringue de patinagem, em espaço pertencente à Escola Básica do 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos, mediante a celebração de um protocolo entre ao clube e a Secretaria Regional da Educação e cuja inauguração teve lugar a 3 de Junho de 1996. Também na sequência de idêntico protocolo, construiu o Grupo Desportivo do Estreito uma piscina, no mesmo estabelecimento de ensino, cuja inauguração teve lugar no dia 24 de Maio de 1997.

Actualmente é dirige o clube Sonia Barros, sendo a sua direcção constituida unicamente por mulheres e ex-atletas do clube.Teve como modalidades, este clube o Futebol, Badminton, Atletismo, Todo o Terreno, Hoquei em Patins, Andebol e Tenis-de-Mesa.

Os melhores resultados foram obtidos nas areas do Tenis-de-Mesa e Atletismo.

Turismo da Madeira

Top